António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

Compositor, Músico, Ensaísta, Investigador do CES, Professor na ESML

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

12 de Junho 2008
Raúl Vaz Bernardo, Expresso - Cartaz
António Pinho Vargas A geração de músicos a que pertencem Rão Kyao e António Pinho Vargas impressiona, hoje em dia, mais pelas suas faculdades extraordinárias de composição do que pelas suas habilidades instrumentais. E se Rão Kyao autoriza a dispersão da sua imaginística melódica pelos sons mais ou menos fáceis de uma orquestra com predominância de cordas, António Pinho Vargas opta por uma hiperconcentração melódica através do som do seu quarteto. Como já o seu anterior trabalho deixava adivinhar, a música de A.P.V. é um mosaico intenso de núcleos melódicos cuja validade é estabelecida pela personalidade do autor.
Cores e Aromas é uma obra que impõe a sensibilidade e imaginação de A.P.V.; não é uma obra desgarrada de encomenda como o seu trabalho de Verão para a Gulbenkian, é o destilar de um processo criativo ao alcance de poucos músicos. A proliferação de células melódicas constitui a autêntica estrutura de cada peça, a sua poética e tristeza são a tradução dum estado criativo de extrema sensibilidade.
Não se pode ouvir Cores e Aromas com a mesma receptividade com que se apreende uma obra de jazz, tudo lá está, a introdução, quantas vezes em magníficos uníssonos António Pinho Vargas-José Nogueira (piano-saxofone), desenvolvimento-improvisação e volta à substância temática. Mas quem não sente a unidade de forma que subjuga a compartimentação, como se um aroma de envolvimento se soltasse da realidade musical? Atente-se no extraordinário diálogo entre os quatro instrumentistas, cada um destacando-se, cada um apagando-se submissamente à dominância tonal, cada músico centro e periferia da combinação dos sons.
Todas as peças de Cores e Aromas se integram no plano de A.P.V. exceptuando talvez 'Atmosfera'. Esta composição, dedicada a John Coltrane, escapa ao ambiente nostálgico prevalecente na obra e irrompe com uma energia que a aproxima mais do jazz. A temática lembra mais Tyner do que Coltrane e António Pinho Vargas sola com uma exuberância 'tynerista' deliciando-se com combinações de pentatónicas que recordam o extraordinário pianista. A secção rítmica também funciona com uma esquemática e dinâmica mais tradicional. Não contrastando em Cores e Aromas, esta 'Atmosfera' assinala a origem e amor ao jazz que o quarteto de A.P.V. conserva.
Não referir as influências que jorram da música de António Pinho Vargas, de Keith Jarrett a Chick Corea, seria incorrecto. É útil, também, assinalar a forma íntegra e sensível como este músico absorveu essas influências de forma que, combinadas com a sua personalidade e crescente bagagem académica, originou a mais bela música portuguesa de 1985, todos os géneros incluídos.
Um quarteto é um conjunto de quatro músicos. Para além do mencionado A.P.V., um José Nogueira aos saxofones cada dia mais dominador, um intuitivo de espanto nos tambores e cimbalos, Mário barreiros, e um sóbrio e envolvente Pedro Barreiros no contrabaixo. Um autêntico quarteto, em som e concepção.

RAÚL VAZ BERNARDO, Expresso - Cartaz

Outras Criticas sobre CORES E AROMAS


Discos

2014

Outro Fim e Step by Step, Drumming CDs 2014

Critica de Maria Augusta Gonçalves publicada no Jornal de Letras, Julho 2014
2009

SOLO II: mais críticas

1. Manuel Falcão, Jornal de Negócios, 6-11-2009
2. Rui Branco, Jornal de Notícias, 6-11-2009
2009

SOLO II

Diário de Noticias , Nuno Galopim

Um ciclo de discos a solo que abre novos caminhos
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, A dor e a angústia em retratos musicais por Cristina Fernandes

Cristina Fernandes, Ypsilon, p.36, Público, 10 de Outubro 2008

A dor e a angústia em retratos musicais
Três obras fundamentais de António Pinho Vargas
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, O pensamento e o seu choque por Maria Augusta Gonçalves, JL, Novembro

2008

Solo Discos da semana, 30 de Junho. ****

2008

Solo Augusto Seabra, Letra de Forma

2008

Monodia,  Arditti Quartet Jed Distler www.classicstoday.com

2008

As Mãos, O Melhor de António Pinho Vargas Vítor Ribeiro, in Tempo Livre

2008

A Luz e a Escuridão

***** in Diário Económico
2008

Monodia Luís M. Alves

in Público, suplemento
2008

Solo ***** Raul Vaz Bernardo

Raul Vaz Bernardo, Expresso, 23 Agosto 2008
2008

Solo Rui Branco, JN, Julho, 2008

2008

Solo, Magnífico regresso *****

Nuno Catarino, Público, 4 de Julho 2008
2008

Solo, Crítica, João Gobern, Sábado

2008

Solo, Crítica, Rui Branco, JN

2008

Solo, Entrevista, João Pedro Oliveira, DN

2008

Selos e Borboletas - O DISCO - Sons, aromas e outros voos

Viriato Teles, in O Jornal
2008

Selos e Borboletas in Diário de Notícias

2008

Sobre CD "Monodia" EMI Classics -1995, Miguel Sobral Cid

Miguel Sobral Cid, in Expresso
2008

Versos Teresa Cascudo, in Público

2008

JAZZI METAL - CONTEMPORARY MUSIC FOR BRASS ENSEMBLE in Jornal de Letras, 21-1-2004. Crítica ao CD "Jazzi Metal - Contemporary Music For Brass Ensemble

2008

Os Dias Levantados - O 25 DE ABRIL FEITO ÓPERA

Bernardo Mariano. in DNMais
2008

Os Dias Levantados - DO TEMPO QUE FOI NO TEMPO QUE É

Augusto M. Seabra, in Público
2008

Os Dias Levantados - UM COMETA QUE SE ACENDEU NO AR

F.S.C., in Diário Económico
2008

Os Dias Levantados - ABRIL, A SUBSTÂNCIA DO TEMPO

Maria Gonçalves de Sousa, in JL
2008

Outros Lugares

in Tempo
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

in Capital
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

Raúl Vaz Bernardo, Expresso - Cartaz
2008

A INCONTESTÁVEL MELANCOLIA - António Pinho Vargas, Os Jogos do Mundo

RAUL VAZ BERNARDO, Expresso
© 2013 António Pinho Vargas. Reservados todos os direitos. All rights reserved.
Desenvolvido por Luis_Pinto @ Cowork, Design Carlos Pinto