António Pinho Vargas no Porto - A música contra a barbárie (1984)

Compositor, Músico, Ensaísta, Investigador do CES, Professor na ESML

António Pinho Vargas no Porto - A música contra a barbárie (1984)

27 de Agosto 2008
Manuel Carvalho, in Público
Pode uma obra multifacetada conquistar uma só plateia? Quando em causa está António Pinho Vargas, a resposta é sim. Porque, para além dos percursos e derivações que vão do jazz à música erudita, está a atitude individual de um dos mestres da música portuguesa contemporânea. Anteontem, os portugueses tiveram a prova num concerto inesquecível. É sempre com inusitada expectativa que se aguardam os concertos do pianista e compositor António Pinho Vargas, mas depois do que se passou na noite de anteontem, no teatro nacional São João, no Porto, todos os reptos, esperas e prognósticos deixaram de fazer sentido. O espectáculo, que repetiu a proposta do Coliseu de Lisboa, revelou-se como um daqueles momentos que se julgam irrepetíveis, e mesmo que os desígnios do imprevisto não possam nem devam deixar de reinar sobre todas as actuações ao vivo, Pinho Vargas ultrapassou os limites da expectativa. E criou um dos momentos mais altos da recente história musical da cidade. Pinho Vargas pianista, compositor, homem e músico eternamente inquieto na sua constante procura de novos caminhos, de novos sons e estéticas, fundiu-se numa imagem só, nas mais de duas horas que durou o seu concerto. Do jazz às canções líricas, das composições eruditas à paixão subjacente da memória musical da tradição portuguesa, tudo esteve presente sem que a abrangência das propostas alguma vez forçasse o banal ou o excessivo. O músico António Pinho Vargas, o homem e cidadão cuja obra revela a mesma atitude política de quem 'luta contra a barbárie', não cederam ao egoísmo ou à vaidade sempre possíveis num concerto autobiográfico. Sempre, sempre acima de tudo esteve o valor e a paixão do seu trabalho. Não admira, por isso, que uma das maiores dificuldades que o seu concerto oferecia à partida - agradar aos vários públicos que se albergam na sua música - se tenha saldado por um acolhimento unânime, expresso em longos minutos de sentida ovação. Mesmo que por cá subsista o hábito de 'meter em locais diferentes as diferenças da música', como reconhece Pinho Vargas, os vários extractos culturais presentes no velho São João souberam distinguir o todo das partes. Remetidas as filiações para plano secundário, em boa parte devido à inexcedível autenticidade das várias facetas do autor, o que acabou por vingar foi uma obra que obedece antes de mais aos princípios de honestidade e rigor. A começar esteve o jazz da primeira fase da carreira, num quarteto-base em que Carlos Bica substituiu Pedro Barreiros, oportunamente acrescentado pelo trompetista , que em meia dúzia de acordes - principalmente em 'Ornette' - mostrou ser um dos sopros mais qualificados do jazz nacional. Vieram as canções maneiristas a lembrar imagens de infância e com elas uma cumplicidade que fará parte integrante da imagem do pianista: José Nogueira, nos saxofones, é como um prolongamento da arte de Pinho Vargas, e é aqui que reside a sua maior qualidade como músico. Depois veio a música erudita, de novo as canções em duo com Nogueira, até à apoteose do fim. Pinho Vargas revelou que há muitos anos procurava um trabalho em conjunto com Maria João. Anteontem, compreendeu-se enfim a razão da insistência. Em 'Lindo Ramo Verde Escuro', em 'Cantiga para a Maria' e, principalmente, em 'Vilas Morenas', aconteceram momentos supremos da música portuguesa actual. Se a coerência do trabalho conjunto de Pinho Vargas com Mário Barreiros, Carlos Bica e José Nogueira é dado adquirido há muito, a voz abrasiva e a técnica original do 'scat' de Maria João adicionaram-lhe uma chama que deixou surpreendida a plateia. Um concerto inesquecível de um dos grandes mestres da música em Portugal.

Manuel Carvalho, Público

Outras Criticas sobre


Concertos

2017

Concerto para Violino, estreia no CCB, Fevereiro de 2016

Concerto para Violino, estreia no CCB, Fevereiro de 2016, crítica de Pedro Boléo no Público, 9-2-2016

2016

Viola de Arco e Trompete nas Ruínas do Carmo - estreia do Concerto para Viola

Estreia de Concerto para Viola e Orquestra Cristina Fernandes dia 17-9-2016 Público
2016

Viola de Arco e Trompete nas Ruínas do Carmo - estreia do Concerto para Viola

Estreia de Concerto para Viola e Orquestra Cristina Fernandes dia 17-9-2016 Público
2016

Journal Percussive Notes (USA)

Crítica ao CD "Step by Step Drumming GP plays António Pinho Vargas" JACC Records, no Journal Percussive Notes (USA)
2014

REQUIEM & JUDAS

Crítica de Maria Augusta Gonçalves no JL 15-29 Outubro, 2014. 

2014

SIX PORTRAITS OF PAIN

O intervalo mais pequeno, crítica de Pedro Boléo, Público  16-9-2013 Em Six Portraits of Pain, de Pinho Vargas, respira uma ética interrogativa que foi captada com a respiração certa e a intensidade justa pelas mãos
2009

A força da música em melodias carregadas de emoção.

Nuno Catarino, Público, P2, 4-11-2009
2008

António Pinho Vargas a solo, Alberto Mourão

Alberto Mourão, Jazz.pt, #20
2008

António Pinho Vargas no Porto - A música contra a barbárie (1984)

Manuel Carvalho, in Público
2008

III Festival Jazz Europeu no Porto terminou – A noite de Pinho Vargas António Curvelo, in Público

2008

In "Le Soir", Bruxelles

2008

 A comunidade do jazz  (Crítica ao III Festival de Jazz Europeu no Porto)

Raul Vaz Bernardo, in Expresso/Cartaz
2008

Convincente esibizione di António Pinho Vargas e José Nogueira

Franco Fayenz in "Giornale"
© 2013 António Pinho Vargas. Reservados todos os direitos. All rights reserved.
Desenvolvido por Luis_Pinto @ Cowork, Design Carlos Pinto