A força da música em melodias carregadas de emoção.

Compositor, Músico, Ensaísta, Investigador do CES, Professor na ESML

A força da música em melodias carregadas de emoção.

04 de November 2009
Nuno Catarino, Público, P2, 4-11-2009
A força da música em melodias carregadas de emoção.O grande auditório da Culturgest esgotado, a meia-luz, com apenas um foco incidindo sobre o piano. António Pinho Vargas, sozinho ao piano, entrou com um grande bloco de temas, interpretados de seguida, sem pausas.

O conjunto inicial de sete composições arrancou com um prelúdio para Brinquedos e desse primeiro lote de músicas destacou-se particularmente Dança dos Pássaros. De resto, iam sendo alternados temas de Solo I (editado o ano passado) e do novo Solo II, acabado de editar - os dois discos mostram regravações a solo de temas bem antigos, compostos entre os anos 70 e meados dos 90.

Depois deste início de peso, o pianista fez uma pequena pausa em que procedeu aos agradecimentos da praxe, partindo depois para um segundo bloco de composições. Desta vez mais curto, incluiu um dos seus temas mais populares, June, dedicado à cantora folk June Tabor - e na sala ouviu-se em murmúrio essa melodia. O segundo bloco fechou com a interpretação de Que Amor Não me Engana de Zeca Afonso, sem fugir muito ao original. Pelo meio do concerto surgiram os dois temas mais atípicos do compositor: Thelonious Schizo Sketch, música de alta intensidade rítmica (numa aproximação a Monk), e General Complex, o tema mais subversivo do programa, com o pianista a abusar das extremidades do teclado.

O trio de composições finais não foi escolhido ao acaso: Tom Waits (talvez o seu maior êxito, homenagem ao inclassificável songwriter), Lindo Ramo, Verde Escuro (inclui uma citação indirecta de Grândola Vila Morena) e para o fecho ficou reservado La Corazon, música com dedicatória à recentemente falecida Corazon Aquino, como confidenciou o pianista.

Como se viu ao longo do espectáculo, a força da música de Pinho Vargas assenta nas melodias, carregadas de emoção, das quais nunca se afasta, às quais recorre frequentemente, como que em círculos. Nesta música directa sobra pouco espaço para a improvisação, trata-se de uma música de pouco risco. Apesar da pouca aventura, do excesso de fidelidade à partitura, o saldo final foi francamente positivo - Pinho Vargas lavrou interpretações irrepreensíveis, sem falhas. O público gostou: dois encores, ovação em pé. Este regresso ao jazz, depois de um longo afastamento em que o pianista esteve concentrado na composição de música contemporânea, só pode ser visto como um grande sucesso.

Nuno Catarino

Other Critics about


Concerts

2017

Concerto para Violino, estreia no CCB, Fevereiro de 2016

Concerto para Violino, estreia no CCB, Fevereiro de 2016, crítica de Pedro Boléo no Público, 9-2-2016

2016

Viola de Arco e Trompete nas Ruínas do Carmo - estreia do Concerto para Viola

Estreia de Concerto para Viola e Orquestra Cristina Fernandes dia 17-9-2016 Público
2016

Viola de Arco e Trompete nas Ruínas do Carmo - estreia do Concerto para Viola

Estreia de Concerto para Viola e Orquestra Cristina Fernandes dia 17-9-2016 Público
2016

Journal Percussive Notes (USA)

Crítica ao CD "Step by Step Drumming GP plays António Pinho Vargas" JACC Records, no Journal Percussive Notes (USA)
2014

REQUIEM & JUDAS

Crítica de Maria Augusta Gonçalves no JL 15-29 Outubro, 2014. 

2014

SIX PORTRAITS OF PAIN

O intervalo mais pequeno, crítica de Pedro Boléo, Público  16-9-2013 Em Six Portraits of Pain, de Pinho Vargas, respira uma ética interrogativa que foi captada com a respiração certa e a intensidade justa pelas mãos
2009

A força da música em melodias carregadas de emoção.

Nuno Catarino, Público, P2, 4-11-2009
2008

António Pinho Vargas a solo, Alberto Mourão

Alberto Mourão, Jazz.pt, #20
2008

António Pinho Vargas no Porto - A música contra a barbárie (1984)

Manuel Carvalho, in Público
2008

III Festival Jazz Europeu no Porto terminou – A noite de Pinho Vargas António Curvelo, in Público

2008

In "Le Soir", Bruxelles

2008

 A comunidade do jazz  (Crítica ao III Festival de Jazz Europeu no Porto)

Raul Vaz Bernardo, in Expresso/Cartaz
2008

Convincente esibizione di António Pinho Vargas e José Nogueira

Franco Fayenz in "Giornale"
© 2013 António Pinho Vargas. Reservados todos os direitos. All rights reserved.
Desenvolvido por Luis_Pinto @ Cowork, Design Carlos Pinto