Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, A dor e a angústia em retratos musicais por Cristina Fernandes

Compositor, Músico, Ensaísta, Investigador do CES, Professor na ESML

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, A dor e a angústia em retratos musicais por Cristina Fernandes

21 de Novembro 2008
Cristina Fernandes, Ypsilon, p.36, Público, 10 de Outubro 2008

A dor e a angústia em retratos musicais
Três obras fundamentais de António Pinho Vargas
Uma profunca coerência atravessa as obras registadas no último CD de António Pinho Vargas na sua vertente de compositor de música erudita contemporânea. Esta diz respeito não só à concepção individual de cada peça, mas também à forma como estas se articulam num arco que tem no centro aquela que é uma das criações maiores da sua maturidade artística: "Six Portraits of Pain", uma encomenda da Casa da Música para a sua abertura em 2005.
Interpretada pelo Remix Ensemble, é precedida pro "Graffiti [just forms]" e seguida por "Acting Out", resultantes de encomendas do teatro nacional de São Carlos para a Sinfónica Portuguesa, mas aqui interpretadas pela Orquestra nacional do Porto, agrupamento residente na Casa da Música que financiou a edição no ambto do seu 3º aniversário.
Todas as obras recorrem a solistas de maneira explícita (o violoncelo em Six Portraits of Pain; o piano e a percussão em "Acting Out") ou implicita, como no caso de Graffiti [just forms] onde Pinho Vargas tira partido da "voz propria" de vários instrumentos, mas não há um tratamento concertante ou virtuosistico no sentido tradicional.  Os solistas são tratados como entidades de forte personalidade mas o que se evidencia na maioria dos casos é o seu potencial introspectivo. Em Acting Out obra de ressonancias psicanalíticas aperfeiçoada pelo compositor após a sua estreia em 1998, o pianista Miguel Henriques e a percussionista Elizabeth Davis têm prestações eloquentes mas é a escrita para violoncelo e interpretação notável de Anssi Kartunnen em Six Portraits of Pain" um dos elementos mais impressionantes da gravação. A prestação do Remix Ensemble, com a sua sonoridade cristalina e texturas meticulosamente esculpidas, é também responsavel pelo grande impacto desta obra "habitada por textos de Espinosa, Thomas Bernard, Manuel Gusmão, Anna Akhmátova e Paul Celan  , que expõem diversos tipos de sofrimento existencial. Com a excepção do poema de Akhmátova, ddito pelo proprio Pinho Vargas, os restantes encontram-se apenas escritos na partitura. Não são recitados, nem cantados, afastando-se assim de uma relação linear ou programática com a música. A obra é percorrida por uma angustia e tensão imensas, com alguns laivos de pós-expressionismo, mas a tradução de estados de alma intensos e de paisagens sonoras inquietantes não fica presa a formulas estereotipadas do passado, sendo antes desenvolvida através de uma manipulação livre e imaginativa do material musical. A relação descomplexada com "objectos musicais" diversos e a tensão angustiada, evocadora da melancolia do artista, são marcas do percurso de Pinho Vargas nos ultimos anos que mergem também das restantes peças, incluindo Graffiti (just forms), concebida como uma espécie de "exercicio/estudo" sobre a questão da forma e recorrendo a agregados sonoros simples em alusão aos Graffiti na sua versão gráfica de arte marginal.

Cristina Fernandes, Ypsilon, p.36, Público, 10 de Outubro 2008

Outras Criticas sobre GRAFFITI [just forms] (2006)


Discos

2014

Outro Fim e Step by Step, Drumming CDs 2014

Critica de Maria Augusta Gonçalves publicada no Jornal de Letras, Julho 2014
2009

SOLO II: mais críticas

1. Manuel Falcão, Jornal de Negócios, 6-11-2009
2. Rui Branco, Jornal de Notícias, 6-11-2009
2009

SOLO II

Diário de Noticias , Nuno Galopim

Um ciclo de discos a solo que abre novos caminhos
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, A dor e a angústia em retratos musicais por Cristina Fernandes

Cristina Fernandes, Ypsilon, p.36, Público, 10 de Outubro 2008

A dor e a angústia em retratos musicais
Três obras fundamentais de António Pinho Vargas
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, O pensamento e o seu choque por Maria Augusta Gonçalves, JL, Novembro

2008

Solo Discos da semana, 30 de Junho. ****

2008

Solo Augusto Seabra, Letra de Forma

2008

Monodia,  Arditti Quartet Jed Distler www.classicstoday.com

2008

As Mãos, O Melhor de António Pinho Vargas Vítor Ribeiro, in Tempo Livre

2008

A Luz e a Escuridão

***** in Diário Económico
2008

Monodia Luís M. Alves

in Público, suplemento
2008

Solo ***** Raul Vaz Bernardo

Raul Vaz Bernardo, Expresso, 23 Agosto 2008
2008

Solo Rui Branco, JN, Julho, 2008

2008

Solo, Magnífico regresso *****

Nuno Catarino, Público, 4 de Julho 2008
2008

Solo, Crítica, João Gobern, Sábado

2008

Solo, Crítica, Rui Branco, JN

2008

Solo, Entrevista, João Pedro Oliveira, DN

2008

Selos e Borboletas - O DISCO - Sons, aromas e outros voos

Viriato Teles, in O Jornal
2008

Selos e Borboletas in Diário de Notícias

2008

Sobre CD "Monodia" EMI Classics -1995, Miguel Sobral Cid

Miguel Sobral Cid, in Expresso
2008

Versos Teresa Cascudo, in Público

2008

JAZZI METAL - CONTEMPORARY MUSIC FOR BRASS ENSEMBLE in Jornal de Letras, 21-1-2004. Crítica ao CD "Jazzi Metal - Contemporary Music For Brass Ensemble

2008

Os Dias Levantados - O 25 DE ABRIL FEITO ÓPERA

Bernardo Mariano. in DNMais
2008

Os Dias Levantados - DO TEMPO QUE FOI NO TEMPO QUE É

Augusto M. Seabra, in Público
2008

Os Dias Levantados - UM COMETA QUE SE ACENDEU NO AR

F.S.C., in Diário Económico
2008

Os Dias Levantados - ABRIL, A SUBSTÂNCIA DO TEMPO

Maria Gonçalves de Sousa, in JL
2008

Outros Lugares

in Tempo
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

in Capital
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

Raúl Vaz Bernardo, Expresso - Cartaz
2008

A INCONTESTÁVEL MELANCOLIA - António Pinho Vargas, Os Jogos do Mundo

RAUL VAZ BERNARDO, Expresso
© 2013 António Pinho Vargas. Reservados todos os direitos. All rights reserved.
Desenvolvido por Luis_Pinto @ Cowork, Design Carlos Pinto