Os Dias Levantados - ABRIL, A SUBSTÂNCIA DO TEMPO

Compositor, Músico, Ensaísta, Investigador do CES, Professor na ESML

Os Dias Levantados - ABRIL, A SUBSTÂNCIA DO TEMPO

24 de Julho 2008
Maria Gonçalves de Sousa, in JL
Os Dias Levantados - ABRIL, A SUBSTÂNCIA DO TCruza-se o tempo, cruza-se Abril e a suspensão do próprio tempo. Os Dias Levantados, de António Pinho Vargas trazem uma verdade histórica, sob o seu olhar, trazem factos. Trazem memória de antes e depois de Abril, o movimento do mundo, naquele instante, naquela sucessão de instantes que converge para o "dia inicial... onde livres habitamos a substância do tempo". Os Dias Levantados habitam-no por inteiro, com o libreto de Manuel Gusmão e a música de António Pinho Vargas. Assim, em conjunto. Cruzam olhares, palavras, citações, não apenas literárias. Logo no início, dão corpo e voz à lição de Walter Benjamin: é pelas histórias que a experiência do mundo se transmite. E a eperiência do mundo existe n'Os Dias Levantados. O que faz desta ópera um objecto magnífico, belíssimo.
O cruzamento do texto e da música, como agentes de drama, é constante e são também constantes os desafios que esta interligação levanta. Basta a sequência de cenas, na primeira secção, O Salto do Tigre a Céu Aberto, para se pressentir a dimensão da obra: tudo o que compõe o interrogatório da PIDE ou o cenário de guerra, o massacre; tudo o que se encaminha para "o rio do tempo" e desagua no coro de Fernão Lopes "a gente começou de se juntar", para então fazer sentido a substância do "dia inteiro e limpo" de Sophia de Mello Breyner Andresen. Siga-se a importância das cordas, dos sopros, das percussões, das vozes, daquelas vozes, a importância do coro, a sua diferenciação, o peso e a razão de cada solista. Repita-se o exercício nas Três Irmãs, na Cidadania Limiar, em Il Combattimento, no êxodo. E Os Dias Levantados revelar-se-ão em texto e música. Isto é, em música, em drama, em ópera.
No programa da estreia, no Festival dos Cem Dias (1998), António Pinho Vargas escreveu: "O 25 de Abril foi ilegal, indisciplinado, incoerente, injusto, insuficiente, por vezes ridículo, mas maravilhoso e inesquecível. Gostava que a minha peça, que tem certamente todos estes defeitos, tivesse algum rasto destas qualidades". Na sua "impureza", nas muitas fontes que congrega, tem todas as qualidades. Tem, na sua própria verdade, a capacidade de invocar o invocável, desarmando-nos perante a memória, as escolhas que fazemos e com as quais vamos decidindo o que somos. "Não acabou. Há mais coisas a escrever. Esta escrita vai durar", ouve-se no Êxodo, que conclui Os Dias Levantados. Porque, como desde o início sabemos, "somos todos judeus alemães e palestinianos de Jerusalém". E somos todos, também, Corpo-Delito na Sala de Espelhos, como José Cardoso Pires e Eduardo Lourenço (em prefácio), um dia ousaram escrever.
N'Os Dias Levantados, há muito a ter em conta. Há ainda as vozes de Ana Ester Neves, Ana Paula Russo, Jorge Vaz de Carvalho, Luís Rodrigues, Nicolau Domingues. Há a direcção de João Paulo Santos. E o ponto de partida: a encomenda de António Mega Ferreira, então comissário da Expo 98, a António Pinho Vargas. A gravação (ao vivo, excelente), sem certeza de edição, veio do risco assumido pelo compositor e pelo técnico José Fortes. A substância de Abril é feita de escolhas.

Outras Criticas sobre OS DIAS LEVANTADOS


Discos

2014

Outro Fim e Step by Step, Drumming CDs 2014

Critica de Maria Augusta Gonçalves publicada no Jornal de Letras, Julho 2014
2009

SOLO II: mais críticas

1. Manuel Falcão, Jornal de Negócios, 6-11-2009
2. Rui Branco, Jornal de Notícias, 6-11-2009
2009

SOLO II

Diário de Noticias , Nuno Galopim

Um ciclo de discos a solo que abre novos caminhos
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, A dor e a angústia em retratos musicais por Cristina Fernandes

Cristina Fernandes, Ypsilon, p.36, Público, 10 de Outubro 2008

A dor e a angústia em retratos musicais
Três obras fundamentais de António Pinho Vargas
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, O pensamento e o seu choque por Maria Augusta Gonçalves, JL, Novembro

2008

Solo Discos da semana, 30 de Junho. ****

2008

Solo Augusto Seabra, Letra de Forma

2008

Monodia,  Arditti Quartet Jed Distler www.classicstoday.com

2008

As Mãos, O Melhor de António Pinho Vargas Vítor Ribeiro, in Tempo Livre

2008

A Luz e a Escuridão

***** in Diário Económico
2008

Monodia Luís M. Alves

in Público, suplemento
2008

Solo ***** Raul Vaz Bernardo

Raul Vaz Bernardo, Expresso, 23 Agosto 2008
2008

Solo Rui Branco, JN, Julho, 2008

2008

Solo, Magnífico regresso *****

Nuno Catarino, Público, 4 de Julho 2008
2008

Solo, Crítica, João Gobern, Sábado

2008

Solo, Crítica, Rui Branco, JN

2008

Solo, Entrevista, João Pedro Oliveira, DN

2008

Selos e Borboletas - O DISCO - Sons, aromas e outros voos

Viriato Teles, in O Jornal
2008

Selos e Borboletas in Diário de Notícias

2008

Sobre CD "Monodia" EMI Classics -1995, Miguel Sobral Cid

Miguel Sobral Cid, in Expresso
2008

Versos Teresa Cascudo, in Público

2008

JAZZI METAL - CONTEMPORARY MUSIC FOR BRASS ENSEMBLE in Jornal de Letras, 21-1-2004. Crítica ao CD "Jazzi Metal - Contemporary Music For Brass Ensemble

2008

Os Dias Levantados - O 25 DE ABRIL FEITO ÓPERA

Bernardo Mariano. in DNMais
2008

Os Dias Levantados - DO TEMPO QUE FOI NO TEMPO QUE É

Augusto M. Seabra, in Público
2008

Os Dias Levantados - UM COMETA QUE SE ACENDEU NO AR

F.S.C., in Diário Económico
2008

Os Dias Levantados - ABRIL, A SUBSTÂNCIA DO TEMPO

Maria Gonçalves de Sousa, in JL
2008

Outros Lugares

in Tempo
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

in Capital
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

Raúl Vaz Bernardo, Expresso - Cartaz
2008

A INCONTESTÁVEL MELANCOLIA - António Pinho Vargas, Os Jogos do Mundo

RAUL VAZ BERNARDO, Expresso
© 2013 António Pinho Vargas. Reservados todos os direitos. All rights reserved.
Desenvolvido por Luis_Pinto @ Cowork, Design Carlos Pinto