REQUIEM & JUDAS

Compositor, Músico, Ensaísta, Investigador do CES, Professor na ESML

REQUIEM & JUDAS

08 de Novembro 2014
Crítica de Maria Augusta Gonçalves no JL 15-29 Outubro, 2014. 

Tudo o que de humano se teme

 Primeiro, em 2004, no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, depois, no mesmo local, em 2012. Quem viveu um momento e o outro, sabe o que aconteceu: chegar ao fim desses dois concertos, com a certeza de ter ouvido duas obras maiores da contemporaneidade, dois momentos que marcam a vida, que detêm a sua essência e se impoem na memória; dois momentos que regressam uma e outra vez, com tudo o que de humano se hesita sequer em reconhecer. São essas obras, nesses dois instantes das temporadas de muúsica da Gulbenkian, que agora se editam em disco: a oratória "Judas", de 2002, e o "Requiem", de 2012. Uma e a outra obra sao de António Pinho Vargas. 

Não há um único instante na producão do compositor que não exija pensamento, confronto, consciência do tempo e do espaco em que se vive, e da história que (n)os sustenta. "Judas", o apóstolo improvável no centro de uma oratória, uma personagem tão trágica como aquele que traiu. É essa traição, aliás - a traicão de Judas, segundo Lucas, João, Mateus e Marcos, os quatro evangelistas -, que domina a obra e a faz terrena, consciente do que é comum aos mortais. Tudo é drama. A perturbacao é constante, intensificada pelos instrumentos de percussão. Orquestra e vozes combinam-se num complexo jogo de texturas, materializando as perspetivas que se acumulam. No texto que acompanha o CD, Pinho Vargas recorda as limitacoes financeiras, que o impossibilitaram de usar solistas, obrigando-o a procurar diferentes solucões. Hoje, basta ouvir a seccão em que Jesus garante que um dos apóstolos o entregará, para nao se conseguir imaginá-la de outra maneira.

"Judas" estabelece necessariamente um elo com todas as grandes oratórias e paixões que a antecederam. No "Requiem", essa ligação é mais evidente. O facto é destacado pelo compositor: "Escrever um 'Requiem' é, acima de tudo, 'responder' à história de numerosas obras do passado". Mas é também, como sublinha, "lidar com um texto litúrgico" da tradição crista ocidental, "cujo sentido mais profundo remonta ao momento em que o homem primitivo enterrou os primeiros mortos", ou seja, ao momento inicial do longo percurso da humanidade, consciente de si mesma. O "Requiem" de António Pinho Vargas é, como todos os Requiem, uma das mais íntimas possibilidades de ligacao ao que de mais misterioso se impõe da existência, a morte. É a oracao do fim de um tempo - mas é a deste tempo, com tudo o que de humano se teme. E conflui para esse acorde "imperfeito" final, em que se materializam todas as dúvidas, a grande incógnita. A obra coloca-se necessariamente na linha dos grandes Requiem da história da música. Mas esse instante tao perturbador pode encontrar paralelo também nesse fecho das "Memórias" de Rómulo de Carvalho (um outro Requiem): "De repente, tudo se desmoronou (...). E no alvoroco dos escombros, apareceram [os] olhos ardentes", da companheira de décadas, que olhavam o poeta. "E é tudo. Adeus." No início do verão, a propósito da edição recente de dois outros discos do compositor - a ópera "Outro fim" e "Drumming" -, recordava-se aqui, no JL, que António Pinho Vargas se batera pela edição de todos os seus discos. A edição de "Judas" e do "Requiem" não fogem à regra. A dádiva é imensa.

 Maria Augusta Gonçalves

Outras Criticas sobre


Concertos

2017

Concerto para Violino, estreia no CCB, Fevereiro de 2016

Concerto para Violino, estreia no CCB, Fevereiro de 2016, crítica de Pedro Boléo no Público, 9-2-2016

2016

Viola de Arco e Trompete nas Ruínas do Carmo - estreia do Concerto para Viola

Estreia de Concerto para Viola e Orquestra Cristina Fernandes dia 17-9-2016 Público
2016

Viola de Arco e Trompete nas Ruínas do Carmo - estreia do Concerto para Viola

Estreia de Concerto para Viola e Orquestra Cristina Fernandes dia 17-9-2016 Público
2016

Journal Percussive Notes (USA)

Crítica ao CD "Step by Step Drumming GP plays António Pinho Vargas" JACC Records, no Journal Percussive Notes (USA)
2014

REQUIEM & JUDAS

Crítica de Maria Augusta Gonçalves no JL 15-29 Outubro, 2014. 

2014

SIX PORTRAITS OF PAIN

O intervalo mais pequeno, crítica de Pedro Boléo, Público  16-9-2013 Em Six Portraits of Pain, de Pinho Vargas, respira uma ética interrogativa que foi captada com a respiração certa e a intensidade justa pelas mãos
2009

A força da música em melodias carregadas de emoção.

Nuno Catarino, Público, P2, 4-11-2009
2008

António Pinho Vargas a solo, Alberto Mourão

Alberto Mourão, Jazz.pt, #20
2008

António Pinho Vargas no Porto - A música contra a barbárie (1984)

Manuel Carvalho, in Público
2008

III Festival Jazz Europeu no Porto terminou – A noite de Pinho Vargas António Curvelo, in Público

2008

In "Le Soir", Bruxelles

2008

 A comunidade do jazz  (Crítica ao III Festival de Jazz Europeu no Porto)

Raul Vaz Bernardo, in Expresso/Cartaz
2008

Convincente esibizione di António Pinho Vargas e José Nogueira

Franco Fayenz in "Giornale"
© 2013 António Pinho Vargas. Reservados todos os direitos. All rights reserved.
Desenvolvido por Luis_Pinto @ Cowork, Design Carlos Pinto