SOLO II: mais críticas

Compositor, Músico, Ensaísta, Investigador do CES, Professor na ESML

SOLO II: mais críticas

03 de Dezembro 2009
1. Manuel Falcão, Jornal de Negócios, 6-11-2009
2. Rui Branco, Jornal de Notícias, 6-11-2009
OUVIR
No ano passado António Pinho Vargas editou a primeira série de "Solo", com composições suas, registadas em sessões de gravação no CCB. Este ano o resto das gravações não editadas e mais umas quantas novas surgem em "Solo II", que consegue ser mais interessante e estimulante que o disco inaugural da série. A maioria das composições continua a ser de António Pinho Vargas, mas há duas versões notáveis "Que Amor Não Me Engana" de José Afonso e "The Times They Are A Changing" de Bob Dylan. Eu, que gosto de discos de piano solo, tenho ficado rendido a este "Solo II", feito à revelia de toda a lógica editorial tradicional e só possível pela dedicação do músico e pela teimosia e perseverança de David Ferreira e das suas Investidas Editoriais - assim se chama a editora que colocou no mercado este belo disco.

Manuel Falcão, A esquina do rio, Jornal de Negócios, 6-11-2009

Visitar o passado para enriquecê-lo

António Pinho Vargas edita agora o segundo tema das suas gravações em piano solo, realizadas em Dezembro do ano passado e completadas em Abril. "Solo II"é o complemento da revisão da sua obra jazzística.Depois de vários anos de ausência da estética do jazz, António Pinho Vargas decidiu fazer a revisão da obra que espalhou por discos que foram fenómenos de vendas de Portugal, antes de se dedicar exclusivamente à composição de música contemporânea erudita (criou igualmente música para filmes e para teatro).

Pinho Vargas é um dos mais talentosos pianistas portugueses de jazz, daí que fosse de lamentar uma ausência tão prolongada. A sua música respira portugalidade por cada poro: dificilmente, um músico de outra latitude poderia aproximar--se da sua sonoridade. É também contemplativa, convida à reflexão. Esta investida em piano solo resulta da sua já longa vivência musical, que lhe permite recuperar o passado para, inequivocamente, enriquecê- -lo com uma nova abordagem.Destacar este ou aquele tema entre os 26 que nos oferece este duplo tomo não deixa de ser tarefa ingrata. O clima mantém-se constante, irrecusavelmente sedutor, não se tratasse sempre do mesmo pianista e (quase sempre) do mesmo compositor, mesmo quando são chamados Zeca Afonso ("Que amor me engana" I e II) e Bob Dylan ("The times they are a-chanching"). Poder-se-ia chamar a atenção para um momento de improvisação total - que é a matéria de que se alimenta o jazz - surgido durante a gravação, baptizado como "In between T&O".

"Solo II" assume-se como peça fundamental para qualquer coleccionador e para os melómanos em geral.

Rui Branco, Jornal de Notícias, 6-11-2009

Outras Criticas sobre SOLO II


Discos

2014

Outro Fim e Step by Step, Drumming CDs 2014

Critica de Maria Augusta Gonçalves publicada no Jornal de Letras, Julho 2014
2009

SOLO II: mais críticas

1. Manuel Falcão, Jornal de Negócios, 6-11-2009
2. Rui Branco, Jornal de Notícias, 6-11-2009
2009

SOLO II

Diário de Noticias , Nuno Galopim

Um ciclo de discos a solo que abre novos caminhos
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, A dor e a angústia em retratos musicais por Cristina Fernandes

Cristina Fernandes, Ypsilon, p.36, Público, 10 de Outubro 2008

A dor e a angústia em retratos musicais
Três obras fundamentais de António Pinho Vargas
2008

Graffiti [just forms], Six Portraits of Pain, Acting Out, O pensamento e o seu choque por Maria Augusta Gonçalves, JL, Novembro

2008

Solo Discos da semana, 30 de Junho. ****

2008

Solo Augusto Seabra, Letra de Forma

2008

Monodia,  Arditti Quartet Jed Distler www.classicstoday.com

2008

As Mãos, O Melhor de António Pinho Vargas Vítor Ribeiro, in Tempo Livre

2008

A Luz e a Escuridão

***** in Diário Económico
2008

Monodia Luís M. Alves

in Público, suplemento
2008

Solo ***** Raul Vaz Bernardo

Raul Vaz Bernardo, Expresso, 23 Agosto 2008
2008

Solo Rui Branco, JN, Julho, 2008

2008

Solo, Magnífico regresso *****

Nuno Catarino, Público, 4 de Julho 2008
2008

Solo, Crítica, João Gobern, Sábado

2008

Solo, Crítica, Rui Branco, JN

2008

Solo, Entrevista, João Pedro Oliveira, DN

2008

Selos e Borboletas - O DISCO - Sons, aromas e outros voos

Viriato Teles, in O Jornal
2008

Selos e Borboletas in Diário de Notícias

2008

Sobre CD "Monodia" EMI Classics -1995, Miguel Sobral Cid

Miguel Sobral Cid, in Expresso
2008

Versos Teresa Cascudo, in Público

2008

JAZZI METAL - CONTEMPORARY MUSIC FOR BRASS ENSEMBLE in Jornal de Letras, 21-1-2004. Crítica ao CD "Jazzi Metal - Contemporary Music For Brass Ensemble

2008

Os Dias Levantados - O 25 DE ABRIL FEITO ÓPERA

Bernardo Mariano. in DNMais
2008

Os Dias Levantados - DO TEMPO QUE FOI NO TEMPO QUE É

Augusto M. Seabra, in Público
2008

Os Dias Levantados - UM COMETA QUE SE ACENDEU NO AR

F.S.C., in Diário Económico
2008

Os Dias Levantados - ABRIL, A SUBSTÂNCIA DO TEMPO

Maria Gonçalves de Sousa, in JL
2008

Outros Lugares

in Tempo
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

in Capital
2008

António Pinho Vargas "Cores e Aromas"

Raúl Vaz Bernardo, Expresso - Cartaz
2008

A INCONTESTÁVEL MELANCOLIA - António Pinho Vargas, Os Jogos do Mundo

RAUL VAZ BERNARDO, Expresso
© 2013 António Pinho Vargas. Reservados todos os direitos. All rights reserved.
Desenvolvido por Luis_Pinto @ Cowork, Design Carlos Pinto